Segurança, eficácia, potenciais riscos e benefícios das vacinas

Início > Vacinação > Segurança, eficácia, potenciais riscos e benefícios das vacinas > Segurança, eficácia, potenciais riscos e benefícios das vacinas


ASTRAZENECA

 

Novos dados divulgados sobre a eficácia da vacina Covid-19 de Oxford-AstraZeneca, que a Fiocruz vai produzir no Brasil, reforçam a necessidade de se manter o protocolo de duas doses e o intervalo longo entre as doses, de três meses. Os dados foram publicados em artigo, no formato ainda em preprint, submetido à revista científica The Lancet.

De acordo com os estudos, a primeira dose da vacina já garante eficácia geral de 76%, dos 22 aos 90 dias após a aplicação, uma informação importante que pode subsidiar decisões dos planos de vacinação, já que o número de vacinas disponível ainda é escasso em todo o mundo.

Depois desse período, com uma segunda dose de reforço, a eficácia da vacina sobe para 82,4%, confirmando os dados da produção de anticorpos já descritos anteriormente. Para casos mais graves da doença, a eficácia foi de 100%, uma vez que não houve internações hospitalares. 

Os novos dados reforçam as análises interinas de diversas agências regulatórias em todo o mundo, que autorizaram o uso emergencial da vacina, e confirma a recomendação pelo intervalo de três meses entre as duas doses para se atingir uma taxa maior de eficácia.

Segundo os pesquisadores envolvidos, as análises iniciais divulgadas nesta publicação também sugerem que o impacto sobre a diferença de eficácia apresentada em estudo anterior estaria relacionado ao aumento de intervalo entre as doses e não ao nível da dose aplicada. Os autores também relatam potencial da vacina em reduzir a transmissão do vírus, com base na carga viral avaliada em voluntários, com uma redução de 67% após a primeira dose da vacina.

Os estudos clínicos seguem em andamento. Os dados apresentados neste artigo foram adicionais aos já divulgados em artigos publicados anteriormente pela equipe responsável pelos testes da vacina.

FONTE: Por Daniela Rangel e Pamela Lang (Agencia Fiocruz de Noticias)- FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ- https://portal.fiocruz.br/noticia/vacina-covid-19-fiocruz-tem-eficacia-geral-de-82

 

PFIZER

Os dados do estudo de Fase 3 demonstraram que, embora haja proteção parcial após cerca de 12 dias da primeira dose, são necessárias duas doses da vacina para que o potencial máximo de proteção contra a doença seja atingido. 

Os resultados de eficácia global da vacina, de 95%, foram aferidos a partir de 7 dias da segunda dose do esquema vacinal.

FONTE: Pfizer - https://www.pfizer.com.br/sua-saude/covid-19-coronavirus/covid-19-principais-perguntas-respostas-sobre-vacina-pfizer-e-biontech

 

 

CORONAVAC

O Instituto Butantan e o Governo de São Paulo informam que a vacina contra o coronavírus obteve 50,38% de eficácia global no estudo clínico desenvolvido no Brasil, além de proteção de 78% em casos leves e 100% contra casos moderados e graves da COVID-19. Todos os índices são superiores ao patamar de 50% exigido pela OMS (Organização Mundial de Saúde).


Os resultados foram submetidos a um comitê internacional independente e já estão com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que analisa o pedido de uso emergencial do imunizante no Brasil. A pesquisa envolveu 16 centros de pesquisa científica em sete estados e o Distrito Federal. O teste duplo cego, com aplicação da vacina em 50% dos voluntários e de placebo nos demais, envolveu 12,5 mil profissionais de saúde.

FONTE: Instituto Butantan - https://butantan.gov.br/noticias/vacina-do-butantan-tem-eficacia-global-superior-a-exigida-pela-oms

 

JANSSEN

A vacina da Janssen contra a COVID-19 demostrou que, 28 dias após a vacinação, apresenta 85% de eficácia na prevenção de formas severas da doença em todas as regiões estudadas, além de proteção completa contra hospitalização e morte relacionadas à COVID-19. Sua eficácia geral na prevenção da COVID-19 moderada a severa, depois de 28 dias da vacinação, é de 66% em diferentes regiões. Os dados de eficácia e segurança se baseiam em estudo com 43.783 participantes em oito países de três continentes, incluindo o Brasil, com uma população diversa e ampla, sendo 34% dos participantes com mais de 60 anos de idade.

A vacina da Janssen contra a COVID-19 tem condições de armazenamento e transporte que permitem que seja distribuída de acordo com a infraestrutura e logística já existentes para medicamentos e vacinas no Brasil.

FONTE: Janssen no Brasil - https://www.janssen.com/brasil/Vacina-COVID-19-Janssen-no-Brasil


Última Atualização: 28/09/2021 16:17, por: GABRIELA GOMES

Página inicial